BlockchainEducaçãoEthereumNoticiasTecnologia

Como funcionam os contratos inteligentes do Ethereum?

Como acontece com muitas idéias na indústria da blockchain, uma confusão geral encobre os chamados “contratos inteligentes”.

Uma nova tecnologia possibilitada pelas blockchains públicas, os contratos inteligentes são difíceis de entender porque o termo confunde, em parte, a interação fundamental descrita.

A imagem mostra uma ilustração de como funciona os contratos inteligentes do Ethereum

Enquanto um contrato padrão define os termos de uma relação (geralmente aplicável por lei), um contrato inteligente executa uma relação com códigos criptográficos.

Em outros termos, os contratos inteligentes são programas que rodam exatamente como configurados por seus criadores.

Concebida primeiramente em 1993, a ideia foi originalmente descrita pelo cientista da computação e criptógrafo, Nick Szabo, como uma forma de máquina de vendas digital. Em seu famoso exemplo, ele descreveu como os usuários poderiam inserir dados ou valor e receberem um item finito da máquina, no caso descrito um lanche ou um refrigerante do mundo real.

Em um exemplo simples, os usuários do Ethereum podem enviar 10 ether para um amigo em um determinado momento utilizando um contrato inteligente.

Neste caso, o usuário criaria um contrato e enviaria dados para esse contrato, de modo que pudesse executar o comando desejado.

O Ethereum é uma plataforma construída especificamente para a criação dos contratos inteligentes.

Mas a intenção é que essas ferramentas novas não sejam usadas isoladamente. Acredita-se que elas também formam os blocos de construção para as “aplicações descentralizadas” (Dapps) e até mesmo para empresas autônomas descentralizadas (DAO’s).

Como funcionam os contratos inteligentes

É importante salientar que o Bitcoin foi o primeiro a apoiar contratos inteligentes básicos no sentido de que a rede pode transferir valor de uma pessoa para outra. A rede de nós só validará as transações caso determinadas condições sejam preenchidas.

Porém, o Bitcoin é limitado ao uso de moeda.

Em contraste, o Ethereum substitui a linguagem mais restritiva do bitcoin (uma linguagem de script de mais ou menos uma centena de scripts) por uma que permite aos desenvolvedores escrever seus próprios programas.

A imagem ilustra o Ethereum de uma forma criptografada.

O Ethereum possibilita que os desenvolvedores programem seus próprios contratos inteligentes, ou “agentes autônomos”, como o whitepaper do Ethereum os denomina. A linguagem é “turing-complete”, o que significa que suporta um conjunto amplo de instruções computacionais.

Os contratos inteligentes podem:

  1. Funcionar como contas multi-assinaturas, assim os fundos só serão gastos quando uma porcentagem exigida de pessoas concordar.
  2. Gerenciar acordos entre usuários, como por exemplo, se um compra um seguro do outro.
  3. Fornecer utilidade para outros contratos (semelhante ao funcionamento de uma biblioteca de software)
  4. Armazenar informações sobre um aplicativo, como informações de registro de domínio ou dados de associação.

Força em números

Extrapolando este último ponto, os contratos inteligentes provavelmente precisam da assistência de outros contratos inteligentes.

Quando alguém faz uma aposta simples na temperatura em um dia quente de verão, ela pode desencadear uma sequência de contratos subjacentes.

Um contrato utilizará dados externos para determinar o clima, e outro contrato poderá liquidar a aposta com base em informações recebidas do primeiro contrato quando as condições forem atingidas.

Executar cada contrato requer taxas de transação de ether, que dependem da quantidade de poder computacional necessário.

Conforme explicado em nosso guia “Como o Ethereum funciona”, o ethereum executa um código de contrato inteligente quando um usuário ou outro contrato envia uma mensagem com taxas de transação suficientes.

A Máquina virtual do Ethereum então executa os contratos inteligentes em “bytecode”, ou uma série de uns e zeros que podem ser lidos e interpretados pela rede.

Em nosso guia “Como usar o Ethereum?”, explicamos detalhadamente como utilizar o Ethereum. Confira em outro guia, “As melhores carteiras para Ethereum“, nesse artigo abordamos as 8 melhores carteiras para esse ativo digital.

Avaliação

Viabilidade - 8.8
Tecnologia - 9.2
Segurança - 10

9.3

Bom

Deixe sua avaliação!

User Rating: 4.84 ( 4 votes)
Mostre mais
loading...

Roberta Coutinho

Roberta Coutinho é uma colaboradora do portal Studio Bitcoin. Entusiasta de Bitcoin e Blockchain, convencida de que seu potencial pode mudar as finanças no mundo.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close

Adblock detectado

Por favor, considere nos apoiar, desativando o seu bloqueador de anúncios