NoticiasSegurança

Dados de clientes de 25% dos bancos britânicos são vendidos na Dark Web

Desde o início de 2016, o bitcoin vem ganhando aceitação e adoção pelos consumidores, provedores de serviços financeiros, investidores institucionais e conglomerados em larga escala. Apesar disso, muitos analistas e empresas de mídia continuam a enfatizar que a moeda digital provavelmente não terá uma estrada fácil pela frente. Como se vê, existem riscos iguais ou maiores inerentes ao banco tradicional que a mídia muitas vezes opta por não relatar.

Bitcoin é melhor do que Fiat ?

Na tentativa de difamar o bitcoin, muitos meios de comunicação têm divulgado histórias horríveis sobre a rede, incluindo seu uso em mercados da dark web, incidentes da invasão de hacker´s a exchanges centralizadas de bitcoins e o recente hard fork do Bitcoin Cash. Eles querem que você pense que o bitcoin é inseguro devido aos seus desafios de segurança e à sua volatilidade de preços. O que eles não mencionam é que as moedas fiat têm seus próprios conjuntos de riscos de segurança e volatilidade, pior do que o Bitcoin.

Leia Também: Modelo britânica é sequestrada em Milão, é criminosos pedem US$ 50 mil em Bitcoins

Os incidentes de hacking associados a exchanges de bitcoin centralizadas, incluindo Bitfinex e Bithumb, inexpressivos em comparação com a quantidade de danos resultantes de medidas de segurança precárias dos sistemas bancários atuais. Nessa nota, um relatório recente informa que os dados de 25 por cento dos clientes dos bancos baseados no Reino Unido foram vendidos e distribuídos na dark web.

Uma publicação baseada em Londres, compartilhou este infográfico:

hd-map-cyber-data-theft-v3 Em uma entrevista, Emma Mills, Chief Operating Officer da empresa de segurança cibernética C6, enfatizou que as informações financeiras e pessoais de mais de 11 milhões de consumidores e usuários de bancos estão atualmente sendo negociadas na dark web. Isso é mais de 25% dos usuários e consumidores dos bancos no Reino Unido.

Mills fornece provedores de serviços detalhados no setor de TI que permitem aos usuários de bancos verificar se seus dados financeiros foram comprometidos por hackers ou negociados na dark web. No entanto, uma vez exposto à Dark Web, há pouca capacidade de proteger os dados financeiros das vítimas.

É um indicador muito bom, mas é tipo, depois que sua casa ter sido roubada. Você não deixaria sua bolsa em um banco de parque ou em um ônibus sem ter medo de perder dinheiro. As pessoas não parecem ter essa mentalidade. Na verdade, é mais importante se proteger online e ter cuidado com o que eles postam “, explicou Mills.

Conclusão

No bitcoin, existem dois tipos de plataformas: custodial e non-custodial. As plataformas de custodial de Bitcoin incluem as exchanges de bitcoins centralizadas e plataformas de negociação que controlam as chaves privadas dos usuários. Nas plataformas de custodial, os usuários não têm o controle direto sobre seus fundos e, como tal, estão sob risco de encerramento de conta ou roubo de fundos. Em plataformas non-custodial, os usuários têm o controle absoluto sobre seus fundos. Assim, mesmo se as plataformas non-custodial de carteira tais como Blockchain, Breadwallet e Trezor, fossem invadidas, os fundos dos usuários estão seguros, pois as chaves privadas não seriam expostas aos hackers.

Leia Também: Bitcoiner perde US$ 50 mil dólares, após Carteira e Backup pegar fogo

O Bitcoin estabeleceu um precedente positivo para toda a indústria de tecnologia e finanças. Dentro do bitcoin, as plataformas non-custodial estão em alta, mas o mesmo não é verdadeiro no setor de finanças convencional. A grande maioria dos provedores de serviços dependem de plataformas centralizadas que podem impor sérias ameaças de segurança para os usuários.

Siga-nos nas redes sociais e receba os principais destaques sobre Bitcoin 🔔📩

Tags

Studio Bitcoin

Studio Bitcoin é um portal brasileiro de notícias e informações sobre Bitcoin, Altcoins é Blockchain.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker